Desde pequena eu sei o que é conviver com animais e agradeço muito por isso. Já tive vários bichinhos de estimação e hoje a minha casa é repleta deles, atualmente temos 3 gatos e 2 cachorros. Digo com toda a certeza que eles tornam nossas vidas muito mais completas e felizes, só quem tem pets, sabe o que é chegar em casa depois de um dia intenso de trabalho e ter eles esperando com o maior “sorriso” do mundo.

Sempre que saímos para viajar, peço para que minha mãe venha aqui em casa ficar um pouco com os gatinhos e a Ninah, além de alimenta-los. Infelizmente não temos espaço no carro para levar todos e a saudade que sentimos durante todos os dias que estamos fora é imensa. No dia de voltar para casa já sabemos que na hora que chegarmos a recepção será calorosa, já começa pela Ninah que vem toda bobona e feliz nos receber no portão e na hora de entrar em casa, os gatinhos estão sentadinhos em cima do sofá olhando para a porta ansiosos. Todo esse amor, esse carinho é algo inexplicável e que só quem convive com eles sabe exatamente do que estou falando.

Sou muito grata por ter um companheiro que também ama animais, ele e o Bobby (poodle) possuem um relação incrível, com muito amor e companheirismo. Eles sabem exatamente quando estamos tristes e o que fazer para melhorar nosso dia, nem que seja para arrancar um pequeno sorriso. A Brendah (persa), é nossa princesinha, como ela é um gato sempre foi mais independente, mas, depois da gravidez é incrível o quanto se aproximou. Dorme todos os dias na nossa cama e muitas vezes até abraçadinha.

Amo a relação que temos com nossos “filhos” de quatro patas e não imagino nossas vidas sem eles. E todo esse amor e respeito é algo que quero muito passar para nosso bebê que logo, logo vai estar por aqui.

Sei que muitas pessoas são contra, mas na minha opinião a convivência do ser humano desde bebê com pets é muito importante. Além de ensinar o que é o verdadeiro amor, também ensina o que significa amizade e respeito. E sim, meu bebê vai ter vários irmãos peludos.

Quero que ele conviva desde os primeiros dias de vida e que com o tempo aprenda a cuidar, amar e principalmente respeitar. Saber como fazer um carinho, entender quando o pet não quer brincar e jamais, jamais maltratar um ser tão indefeso.

Não me canso de imaginar como será o dia da volta da maternidade, a curiosidade dos nossos pets e como irão se comportar com o novo membro da família. Também imagino minha surpresa quando for pegar o Victor e encontrar algum dos gatinhos dormindo com ele dentro do berço, tão fofo.

Vocês podem até achar que estou errada, mas no meu ponto de vista, não! Não vou colocar meus bichinhos para a rua e muito menos proibir o acesso deles ao bebê. Sei que os cuidados com um recém nascido são grandes, e jamais colocarei a saúde do meu filho em risco e sinceramente não vejo como o convívio com os animais seja um risco – desde que os mesmo estejam bem limpinhos, claro.

Tenho certeza absoluta que essa convivência desde cedo vai ser muito importante na vida do meu bebê. O Victor ainda nem nasceu e já tem uma casa cheia de amor esperando por ele.

 

Espero que tenham gostado do post. Beijos!