Olá pessoal, tudo bem?

Meu nome é Emilli e sou a nova colaboradora do blog.

Vou escrever sobre diversos assuntos, mas em especial sobre a maternidade, este período tão especial na vida de uma mulher. Vou dividir um pouco da minha experiência. Dos desafios de sermos mãe e pai e não mães “solteiras”, mas sim, mães guerreiras.

Espero muito que gostem! 🙂

GRAVIDEZ1

Medo, insegurança, confusão de pensamentos, choro, frio na barriga e por fim um amor sem fim . Essas foram as sensações que experimentei quando descobri que não estava mais sozinha e que nunca mais estaria, quando descobri que a partir daquele momento teria comigo um companheiro ou companheira para vida toda.

E então, vou ser mãe!

Desde de menina me imaginava sendo mãe, embalava as bonecas e com a inocência de uma criança pensava que tudo fosse simples como as brincadeiras da infância. O tempo passou e as brincadeiras foram substituídas pelas curiosidades, pelos sonhos, pelos amigos de momentos. A vida seguia, muitos planos, muitas novidades e a paixão pelo teatro, que iniciou na infância, só aumentava, a ideia era prestar o vestibular para esta área.

Tudo planejado, tudo definido….

GRAVIDEZ2

Quando aos 21 anos eu descobri. Vou ser mãe!
Mesmo não sendo a mãe mais nova, eu sentia como se fosse e como se a menina que brincava de bonecas estivesse ali novamente, com os medos e a insegurança. Toda aquela coragem e auto suficiência da juventude já se perdia entre as lágrimas.

Como eu poderia ser mãe?!
Início de relacionamento!
Ainda estávamos nos conhecendo!
Por um deslize. Apenas uma vez!

GRAVIDEZ3

Recebi o resultado do exame por e-mail e o li no trabalho, pensando que com certeza daria negativo, mas pelo contrário, lá estava o que eu temia. A partir daquele momento as lágrimas rolaram e eu já não conseguia mais pensar em nada, liguei para minha mãe e por telefone contei, ela ficou de início perplexa, pois nem imaginava que eu desconfiava que poderia estar grávida. Me pediu para ir direto pra casa para conversamos.

Os pensamentos a mil, coração disparado e as mãos suando, mas para minha surpresa a reação dela foi muito melhor do que eu imaginava, mesmo que, como toda mãe, ela tivesse feito planos perfeitos para o meu futuro. O amor de mãe foi maior, e ela o amou desde o princípio, me apoiou em todos os momentos e enxugou todas as lagrimas, que não foram poucas.

Este apoio foi fundamental, pois no momento do desespero não conseguimos pensar com clareza e acabamos tomando decisões erradas, as quais podemos nos arrepender por toda a vida.

 

Cada etapa foi um desafio e uma conquista, mas deixamos isto para próxima semana…